Livro mostra como a OMS se rendeu à indústria farmacêutica

Uma recente obra de referência com o selo da combativa editora Expressão Popular termina a nossa dica de hoje. O século 21 vê renascer entre os chefes de estados e na OMS o temor sobre a propagação de doenças infecto-contagiosas. Um cenário conturbado, que inclui até...

Uma recente obra de referência com o selo da combativa editora Expressão Popular termina a nossa dica de hoje. O século 21 vê renascer entre os chefes de estados e na OMS o temor sobre a propagação de doenças infecto-contagiosas. Um cenário conturbado, que inclui até o possível uso de armas químicas e biológicas, coloca a saúde como questão de segurança pública. Lançado pela pesquisadora do Instituto de Relações Internacionais (IRI) da USP, Deisy Ventura, o livro ‘Direito e Saúde Global – O Caso de Pandemia da Gripe A (H1N1)‘ revisita a pandemia que afetou diversas nações do mundo. O livro analisa o processo de tomada de decisões pela OMS que resultou na declaração da primeira emergência de saúde pública de importância internacional. A classificação de emergência sanitária não diz respeito exclusivamente às doenças, mas a qualquer agravo à saúde que corresponda às descrições do regulamento de 2005. Para compor o estudo, Deisy realizou durante um semestre pesquisas no Instituto de Altos Estudos Internacionais e do Desenvolvimento, em Genebra, Suíça – também sede da OMS. Na sua conclusão sobre o estudo da Gripe A (H1N1), Deisy concluiu que a OMS cedeu às pressões das indústria farmacêutica, embora o tenha feito de modo muito sofisticado, já que não se valeu da corrupção ou da influência explícita, mas sim da influência dos especialistas da OMS que possuem vínculos com o setor privado.

Tudo isso, por R$ 25.
00sindifarma
Texto e pesquisa: Marko Ajdaric