Multinacional farmacêutica não vai mais pagar a médicos para promover medicamentos

No Brasil, há um acordo em curso entre a Interfarma e o CFM que pretende regular essas questões

A GlaxoSmithKline, uma das maiores multinacionais farmacêuticas, decidiu não pagar mais viagens e palestras a médicos para a promoção de seus medicamentos.

A empresa britânica também mudará a forma de remunerar seus propagandistas, que deixarão de receber de acordo com o número de receitas prescritas pelos médicos que eles visitam.

A decisão anunciada nesta terça-feira é inédita entre as multinacionais farmacêuticas e entrará em vigor nos países onde a empresa atua a partir de 2014. Nos EUA, um programa piloto já está em vigor desde 2011.

Em nota, a GSK no Brasil disse que seguirá as determinações da matriz. Informou que a empresa vem tomando uma série de medidas com o objetivo de aumentar a transparência de suas práticas.

Por décadas, as companhias farmacêuticas têm pago médicos para falar a favor de seus medicamentos em congressos e conferências. Como formadores de opinião, eles influenciam na decisão de outros profissionais.

Vários estudos, no entanto, têm demonstrado que essas práticas geram grandes conflitos de interesse e podem levar a prescrições inadequadas (desnecessárias ou mais caras) aos pacientes.

No Brasil, há um acordo em curso entre a Interfarma (associação que reúne as multinacionais farmacêuticas) e o CFM (Conselho Federal de Medicina) que pretende regular essas questões.

“Estamos tentando construir juntos um caminho onde não se tolere qualquer restrição à autonomia dos médicos. E não é só palavra posta no papel. Nosso conselho de ética existe, funciona e pune”, afirma Antonio Britto, presidente da Interfarma.

A questão, segundo ele, é que outros segmentos da indústria da saúde (farmacêuticas nacionais e indústrias de aparelhos e equipamentos em saúde, por exemplo) não aderiram ao acordo. “Haverá desvantagem competitiva se não for seguido por todos.”

INVESTIGAÇÃO

No caso da Glaxo, a decisão vem no momento em que a empresa é alvo de investigação na China por pagamentos ilegais a médicos e oficiais do governo.

Uma das suspeitas é que a empresa pagava médicos para viajar a conferências e palestras que nunca ocorreram.

Andrew Witty, o CEO da Glaxo, disse que as mudanças não têm relação com as investigações na China e que fazem parte dos esforços da empresa de estar em consonância com a atualidade.

“Nós já vínhamos nos perguntamos se não haveria outras diferentes e mais efetivas formas de operação do que talvez os caminhos que nós, como indústria, temos operado nos últimos 30, 40 anos?”

A partir de 2014, todos laboratórios farmacêuticos que atuam nos EUA deverão tornar públicos os gastos com a promoção de medicamentos por profissionais de saúde.

Segundo a Glaxo, a empresa não vai mais pagar aos profissionais de saúde para falar sobre seus produtos ou doenças que tratam e tampouco apoiá-los financeiramente para assistir a conferências médicas. A empresa não informou o quanto economizará com as medidas.

A Glaxo informou ainda que continuará pagando aos médicos honorários de consultoria para pesquisa de mercado e que também vai estudar novas alternativas para colaborar com a educação médica, com informações claras e transparentes.

“Estamos delineando um novo conjunto de medidas para modernizar o nosso relacionamento com os profissionais de saúde. É o interesse dos pacientes que vem sempre em primeiro lugar.”

Fonte: www.folha.uol.com.br